Mecanismos ecológicos e comportamentais da expansão do habitat dependente da densidade numa população de ungulados Africanos em recuperação.

Artigo publicado por Justine Becker, Matt Hutchinson e outros co-autores em Ecological Monographs

A espetacular abundância de inhacosos (ou pivas) tornou-se sinónimo de Parque Nacional da Gorongosa. Mais de 57.000 inhacosos foram contados em 2018. Esta é sem dúvida a maior e mais densa população desta espécie em qualquer parque nacional de África.

No entanto, nem sempre foi assim. Na Gorongosa antes da guerra, o total mais elevado foi de 3.557 inhacosos contados em 1969. Estavam estreitamente confinados aos principais campos das planícies aluviais (ou tandos). É provável que os inhacosos tenham sobrevivido à guerra em maior número do que outros ungulados devido a uma combinação da sua ocupação durante todo o ano das planícies de inundação (que são pantanosas, tem alta visibilidade e carecem de árvores para abrigar as armadilhas dos furtivos) e o seu estatuto supostamente desfavorecido como carne de caça. Isso deu lhes uma vantagem no ambiente do pós-guerra de baixa competição e baixa predação.

A partir de uma infinidade de medições e usando técnicas de vanguarda, um grupo internacional de cientistas reuniu agora a história de como os inhacosos se expandiram a tal ponto que o esgotamento de recursos no seu habitat preferido os levou a espalharem-se num habitat de savana historicamente evitado. Esta expansão foi demograficamente distorcida: grupos mistos de indivíduos em idade avançada permaneceram mais comuns na planície aluvial, enquanto solteiros, solitários e subadultos povoaram a savana. Ao acoplar o “metabarcoding” do ADN e a análise da forragem, os pesquisadores mostram que os inhacosos nestes dois habitats tiveram dietas radicalmente diferentes, com o desempenho energético sendo maior na planície de inundação.

Os primeiros sinais existem de que os actuais elevados números de inhacosos provavelmente não serão sustentados ao longo do tempo. À medida que aumenta a competição com búfalos e zebras e aumenta a pressão dos predadores, pode-se esperar que o número de inhacosos diminua e que eles se retirem das áreas de savana. Um total de 52.000 inhacosos foi contado em 2020.

O estudo foi liderado por Justine Becker e Matt Hutchinson do Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva da Universidade de Princeton nos EUA, com contribuições de outros investigadores de Princeton, cientistas da Gorongosa, colaboradores da National Geographic e dois estudantes Moçambicanos no programa de Mestrado a tempo inteiro em Biologia da Conservação que está hospedado no Parque. Os resultados fornecem-nos uma compreensão muito necessária dos fascinantes processos naturais que se desenrolam durante a restauração da paisagem da Gorongosa.

Leave a Reply

Create a website or blog at WordPress.com

Up ↑

%d bloggers like this: